Share on FacebookGoogle+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

O trabalho de edição do livro Mbaé Kaá do botânico brasileiro Barbosa Rodrigues que lançaremos em novembro nos levou ao conhecimento de outro livro importante sobre plantas feito de forma colaborativa, assim como o Una Isi Kayawa do povo Huni Kuin. Chama-se  Hortus Malabaricus, uma obra do século 17, em 12 volumes ilustrados com mais de 700 espécies da flora de Malabar, na região de Kerala, em Goa na Índia. É um livro que segue o sistema nativo de classificação das plantas usadas na medicina ayurveda. Há um interessante artigo na internet  chamado Hortus malabaricus and the ethnoiatrical knowledge of ancient malabar que esclarece sobre o processo de edição:
“A maioria das informações sobre os poderes medicinais das plantas dadas no livro foram fornecidas por quatro malabares, Itty Achuden, um médico ayurvédico nativo de Collatt perto de Shertalay, Cochin e Ranga Bhat, Vinayaka Pandit e Appu Bhat, médicos sacerdotes Konkani estabelecidos em Cochin. Esses médicos deram suas informações nas línguas malaiala e konkani, respectivamente, que foram traduzidas para primeiro para o português e depois para o latim por intérpretes oficiais designados pela Rheede e pela empresa holandesa das Índias Orientais. O método pelo qual Rheede coletou essas informações também é digno de nota. Naqueles dias, o conhecimento era transmitido de geração em geração, de boca em boca, do professor ao ensinado; As reservas por escrito eram extremamente raras, pois a impressão ainda não havia sido descoberta. O que deve ser ensinado é dito ao jovem aluno que continua a repeti-lo até ficar indelevelmente impressionado em sua mente sensível.